sexta-feira, janeiro 27, 2012

Baryshnikov nasceu há 64 anos


Mikhail Nikolaévich Baryshniko

v (letão: Mihails Barišņikovs, Riga, 28 de janeiro de 1948) é um bailarino nascido na Letónia e naturalizado norte-americano.
Foi membro do balé Kirov na Rússia. Atualmente é ator.

Biografia
Nasceu em Riga, na agora independente Letónia, Baryshnikov começou seus estudos de balé em 1960. Em 1964, ele entrou na Escola Vaganova, na então cidade de Leningrado, logo conquistando um primeiro prémio, na divisão júnior do Concurso Internacional Varna. Ele entrou o Balé Kirov e fez sua estreia no Teatro Mariinsky, em 1967, dançando o "camponês" pas de deux de Giselle. O talento de Baryshnikov, em particular a força de sua fase de sua presença e pureza técnica clássica, foi reconhecido por vários coreógrafos soviéticos, incluindo Oleg Vinogradov, Konstantin Sergeyev, Igor Tchernichov, e Leonid Jakobson bailado criado por ele. Embora ainda na União Soviética, foi chamado pelo crítico Clive Barnes "o mais perfeito bailarino que alguma vez vi".
Enquanto em uma tournée no Canadá com o Balé Kirov em 1974, Baryshnikov fugiu, posicionando-se contra o regime ditatorial comunista, ao pedir asilo político em Toronto. Ele declarou posteriormente que Christina Berlim, uma amiga americana, o ajudou a planear a sua fuga durante sua tournée de 1970 em Londres. Sua primeira performance após a sair do isolamento temporário no Canadá foi com o Balé Nacional do Canadá, em uma versão televisiva de "La Sylphide". Depois foi para os Estados Unidos.
De 1974 a 1979, ele foi o principal bailarino do American Ballet Theatre (ABT), onde ele trabalha com Gelsey Kirkland. Ele também trabalhou com o New York City Ballet, com George Balanchine. Ele também excursionou com o ballet e dança moderna em companhias ao redor do mundo por quinze meses. Vários papéis foram criados por ele, incluindo os papéis Opus 19: A Dreamer (1979), por Jerome Robbins, Rhapsody (1980), por Frederick Ashton, e Outras Danças (com Natalia Makarova) por Jerome Robbins. Ele retornou a ABT, em 1980 como dançarino e diretor artístico, cargo que ocupou durante uma década. Em 3 de julho de 1986, ele tornou-se cidadão dos Estados Unidos da América. De 1990 a 2002, Baryshnikov era diretor artístico da White Oak Dance Project, empresa ele co-fundou com Mark Morris. Em 2004 ele lançou o Baryshnikov Arts Centre, em Nova Iorque.
No American Ballet Theater de Nova Iorque, onde foi bailarino de 1974 a 1989, salientou-se em A Bela Adormecida (1975); Hamlet Conotations (1976); Giselle (1977); Balanchine (1980); Don Quixote (1989). Também foi diretor da companhia do American Ballet Theater entre 1985 e 1989. Além de bailarino é ator, tendo estrelado o filme O Sol da Meia-Noite (White Nights de 1985) ao lado do dançarino e ator americano, Gregory Hines.

Família
Baryshnikov tem uma filha, Aleksandra Baryshnikova (nascido em 1981), a partir de um relacionamento com a atriz Jessica Lange. Quando Baryshnikov e Lange se conheceram, ele era capaz de falar muito pouco inglês, e eles tiveram de falar em francês. Baryshnikov tem uma longa relação com a ex-bailarina Lisa Rinehart, e eles têm três filhos: Sofia, Anna, e Peter. Em uma entrevista com Larry King, Baryshnikov disse que não acredita em casamento, pois o compromisso de que as pessoas fazem entre si não tem nada a ver com um casamento legalmente válido. Ele afirmou que não era religioso, de forma que permanecer em frente a um altar não significa nada para ele.



Sem comentários: