segunda-feira, janeiro 22, 2018

A atriz Marília Pêra nasceu há 75 anos

Marília Soares Pêra (Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 1943Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2015) foi uma consagrada e premiada atriz, cantora e diretora teatral brasileira. Pêra conquistou, ao longo da sua carreira, cerca de 80 prémios e atuou em 49 peças, 29 novelas e 24 filmes.

Byron nasceu há 230 anos

George Gordon Byron, 6º Barão Byron (Londres, 22 de janeiro de 1788 - Missolonghi, 19 de abril de 1824), melhor conhecido como Lorde Byron, foi um destacado poeta britânico e uma das figuras mais influentes do Romantismo, célebre por suas obras-primas, como Peregrinação de Child Harold e Don Juan (o último permaneceu inacabado, devido à sua morte iminente). Byron é considerado como um dos maiores poetas europeus, é muito lido até os dias de hoje.
Toda a obra de Byron, que exprime o pessimismo romântico, com a tendência a se voltar contra os outros e contra a sociedade, pode ser vista como um grande painel autobiográfico. Foram novos, em sua postura, o tom declarado de rebeldia ante as convenções morais e religiosas e o charme cínico de que seu herói demoníaco sempre se revestiu.
A fama de Byron não se deve somente aos seus escritos, mas também a sua vida - amplamente considerada extravagante - que inclui numerosas amantes, dívidas, separações e alegações de incesto.
Encontrou a morte em Missolonghi, onde estava a lutar ao lado dos gregos, na sua luta pela independência da opressão turca. Segundo consta, a causa da morte parece ter sido uremia, complicada por febre reumática. A sua filha, Ada Lovelace, colaborou com Charles Babbage para a criação do engenho analítico, um passo importante na história dos computadores, papel ímpar para uma mulher na História da Ciência do século XIX.
 
A família Byron
Ameaçado de excomunhão, pelo assassinato de Thomas Becket, o rei Henrique II prometeu ao papa fazer penitência e donativos aos mosteiros. Ordenou que árvores fossem tombadas e que se construíssem no local abadias, dedicadas à Virgem, que receberam o nome de Newstead.
Os monges que viviam em Newstead obedeciam a regras simples, tais como: não possuir nada, amar a Deus e ao próximo, vencer as tentações carnais e não fazer nada que provocasse escândalos. Além disso, distribuíam aos pobres esmolas anuais, em memória de seu fundador.
Os abades sucederam-se durante três séculos, até o reinado de Henrique VIII. Este, com a intenção de se casar com Ana Bolena, pediu ao papa para que anulasse seu casamento com Catarina de Aragão. O papa recusou.
Foi então, decretado o confisco de todos os conventos religiosos que não dispusessem de renda maior que 200 libras. A abadia de Newstead foi atingida pelo decreto e, os cónegos que ali viviam, foram expulsos, com benefícios mínimos concedidos pelo rei.
Os camponeses, frustrados, viram partir os monges. Imaginaram que eles iriam assombrar as celas vazias e que a abadia causaria desgraças a quem ousasse comprá-la. Um ano depois, o rei Henrique VIII vendeu o mosteiro ao seu fiel súbdito, Sir John Byron, conhecido como o “Pequeno Sir John da Barba Grande”.
Sir John pertencia a uma família que possuía muitas terras. Ele transformou a abadia num imenso e belo castelo e os seus descendentes apegaram-se àquela casa. Ninguém, exceto os camponeses, imaginava que a influência dos monges viesse a afetar tanto a família Byron.
 
A influência dos monges
O quarto lorde Byron, que viveu no século XVII, teve dois filhos que iriam marcar pela eternidade as influências negativas dos monges sobre a família: O mais velho, quinto lorde Byron, teve seu destino marcado pelo assassinato que cometeu. Ele estava em uma taberna, conversando sobre caça, quando iniciou uma ignóbil discussão com Chaworth, que havia falado mal do quinto Lorde por suas falhas na caça.
Ambos se enfrentaram e Chaworth foi rasgado pela espada de Byron. O quinto e desgraçado Lorde Byron foi julgado e absolvido. Porém carregou consigo o eterno peso de ser encarado como um assassino. Talvez, por isso, tenha desenvolvido um comportamento estranho durante sua vida, o mesmo comportamento que o qualificou com o apelido de “Lorde mau”.
Durante a noite, ele abria as represas dos rios para destruir as fábricas  de fiação; esvaziava os lagos dos vizinhos; mandou construir na margem de seu lago dois pequenos fortes de pedra, e mantinha uma frota de barcos de brinquedo, os quais fazia flutuar no lago; organizava sobre seu próprio corpo corridas de grilos que, segundo seus criados, lhe obedeciam.
Já o seu irmão (avô do Byron poeta) não conseguia fugir da semelhante sina. “Jack Mau-Tempo”, como era chamado, era um azarado almirante, que morreu como vice-almirante em 1786. O seu apelido não era ocasional. Diziam que toda vez que Byron preparava o barco e posicionava-se sobre ele, uma forte tempestade armava-se. “Jack Mau-Tempo” teve dois filhos: o mais velho, John, pai do Byron poeta, era soldado. O segundo, Georges Anson, marinheiro.
 
O nascimento e casamento com Catherine de Gight
John Byron era um soldado violento e que acumulava monstruosas dívidas, facto que levou a ser apelidado de “Jack o Louco”. Casou-se com a, até então, Marquesa de Carmarthen, uma linda jovem que abandonou o seu marido, Lord Carmarthen, para ficar com Byron, tornando-se assim, a baronesa Conyers.
Com Lady Conyers, Byron teve uma filha: Augusta Byron. Logo após o nascimento de Augusta, Lady Conyers morreu. Alguns dizem que ela foi vítima de maus-tratos de John Byron. Os Byron se defendem, alegando que sua morte foi ocasionada por imprudência da mesma, ao caçar a cavalo ainda de repouso do parto.
Logo depois da morte de Lady Conyers, John Byron foi “afogar suas mágoas” em Bath, um balneário em moda na época. Lá conheceu Catherine de Gight, uma órfã e herdeira escocesa. Catherine era feia: pequena, gorda, com pele corada demais e nariz comprido. Porém, possuía algo em que John Byron se interessava: era herdeira de 23 mil libras, destas, três mil liquidas e o resto representado pela propriedade de Gight, direitos de pescas de salmão e ações de um banco em Aberdeen.
Apesar de bem nascida, Catherine era herdeira de uma família que carregava em sua história trágicos acontecimentos. Os Gordon, representados pelo primeiro senhor de Gight, Sir William Gordon, eram realmente marcados por má sina: William Gordon morreu afogado, Alexandre Gordon assassinado, John Gordon enforcado, e por aí segue. Os membros da família possuíam um temperamento semelhante aos bárbaros. Bastava alguém se intrometer em seus caminhos, que de imediato eram atacados e mortos pelos mesmos.
A ira dos Gordon não foi suficiente para impedir o casamento de Catherine com John. Desse casamento, marcado pela desgraça, nasce George Gordon Byron, o poeta que mudaria as vertentes dos movimentos literários e submeteria fiéis seguidores às suas peripécias.
Não demorou muito para a rica Catherine, se submeter às perdas irreparáveis possibilitadas pelo marido. John tratou de gastar não só a fortuna liquida, como todos os bens de Catherine. Como se não bastasse, o mesmo tinha amantes por todos os cantos, maltratava Catherine, era audacioso para conquista de suas vontades e viveu muito bem! Até morrer à míngua: John suicidou-se pela miséria que o mesmo construiu. Tal miséria não era apenas uma consequência subjetiva, ela alastrou também à vida de Catherine. Foi essa a herança deixada por John Byron, até então.
 
George Gordon Byron: o poeta começa a descobrir o mundo
George Gordon Byron cresceu graças ao sacrifício custoso da sofrida mãe. Sozinha, Catherine desdobrou-se para criar o pequeno Byron. Procurou sempre as melhores referências para que Byron fosse alguém melhor que seu pai. Porém, não era apenas de virtudes que  Catherine usava: constantemente, era abordada por um sentimento de ira e infelicidade, os quais descontava em seu filho, batendo-lhe. Além da mãe, o pequeno Byron contava com a ira incógnita de sua governanta, cujo nome era May Gray.
Sob o teto de uma criação instável, Byron ainda portava uma pequena enfermidade que o marcaria com forte veemência: ele possuía um defeito em uma das pernas, era coxo. Tal defeito foi um obstáculo enorme no desenvolvimento do garoto, que se sentia envergonhado perante os outros. O tratamento, exaustivo, também o irritava muito.
Contudo, os anátemas destinados a esse Byron, não fariam tanto efeito como pensado. O rapaz possuía características peculiares que o destacavam. Apaixonou-se por literatura ao primeiro contacto - ainda bem novo - com a história de Caim e Abel contada por um professor de História de sua escola. Além de tudo, foi conquistando amigos no colégio de maneira bastante surpreendente, citemos: uma certa vez, um rapaz - primeiro amigo de Byron - apanhava de um tirano grandalhão. Byron, com a voz trémula e os olhos cheios de lágrimas, perguntou para o autor, quantos socos pretendia dar em seu amigo. Surpreendido, o garoto perguntou o motivo dessa “estúpida” pergunta. Byron, disse: “Se não se importar, gostaria de receber a metade”.
Byron conquistou, também, o diretor de seu colégio, o doutor Joseph Drury, que - de tanta afeição - ofereceu-se para ensinar latim e grego a Byron. O dr. Drury foi um grande condutor do menino Byron, porém ganhou diversos momentos de enxaquecas pela ousadia de tentar disciplinar o rapaz.
 
Polémica
Byron havia-se irritado com as audácias malignas da mãe. Com isso, resolveu deixar a cidade de Southwell e partiu para Londres. Lá, enquanto esperava alcançar a maioridade, Byron decidiu ser poeta, embalado pelos literatos que, durante toda sua adolescência, leu.
Escreveu uma série de poemas e, apoiado por uma amiga de Southwell - cujo nome era Elizabeth - publicou o seu primeiro livro: Horas Ociosas. Byron havia dedicado grande parte de seu tempo para concretizar o projeto. Deixou ao encargo de Elizabeth a organização e a impressão. Os primeiros exemplares impressos foram distribuídos a amigos e conhecidos. Logo então, os consequentes exemplares foram entregues às livrarias e propostos a consignação. Byron, ansioso, visitava o máximo possível de livrarias para conferir a vendagem, que por sinal era boa.
Logo, começaram as críticas: as pessoas de Southwell não haviam gostado do livro, faziam críticas frias ao trabalho de Byron e se sentiam ofendidas com suas manifestações de ódio ao lugar (Southwell). Já a crítica se ocupou da duplicidade de opinião de sempre: uns elogiavam, outros arrasavam.
Byron recebia elogios de seus amigos e de familiares distantes. Porém, um aviso sobre um artigo hostil e violento que seria publicado na Revista de Edimburgo - principal órgão liberal escocês, lhe chegou aos ouvidos. Ele esperava com grande ansiedade, mas não esperava tanto: “A poesia desse jovem Lord pertence àquela cuja existência nem Deus e nem os homens admitem. Para diminuir o seu crime, o nobre autor apresenta sobretudo o argumento de sua menoridade. Provavelmente pretende dizer: vejam como um menor pode escrever! Este poema foi feito por um rapaz de 18 anos... e este por um de 16!...”, e por aí prossegue, com um tom igualmente cruel. Byron ficou arrasado. Pensou em replicar, mas decidiu calar-se - por enquanto. Relevou o facto de que todos os escritores passam por isso em suas respectivas carreiras e prosseguiu com a mesma empolgação.
Lord Byron decidiu partir para uma viagem incógnita, na qual ele pretendia descobrir as belezas dos países vizinhos a Inglaterra. Visitou vários países e dividiu o seu gosto pela beleza contrastante entre as obras góticas e as produzidas pela guerra. Byron achava lindas as paisagens de uma cidade destruída e pelos corpos moribundos, caídos pelos cantos. Obteve diversas experiências e voltou renovado para Inglaterra. Foi, então, convocada a sua presença na Câmara dos Lordes para tomar posse do seu cargo. Byron agiu completamente contra as tradições que assolavam a Câmara: primeiro, foi acompanhado apenas de um amigo, enquanto a presença da família nunca deixou de existir como princípio aos Lordes. Depois, agiu como um indiferente ao receber os cumprimentos do presidente da Câmara. O seu amigo espantou-se ao presenciar tamanha arrogância: Byron ofereceu ao “presidente” apenas as pontas dos dedos como forma de, segundo ele, “não iludi-lo em relação ao seu possível apoio, pois não o daria a ninguém deste lugar”.
O tempo se passou e o poeta resolveu lançar seu mais novo trabalho: Childe Harold. O livro contava suas aventuras durante a viagem pela Europa e foi concebido pela sociedade como um novo fenómeno literário. Byron, de início, não acreditava que seu livro fosse capaz de causar tanto frisson; contudo, foi o que aconteceu. A obra explodiu como uma bomba prestes a iniciar novos tempos na vida de um homem que, por sua vez, estava prestes a viver algo bem mais explosivo que o sucesso: o incesto.
Nasce o Dom Juan e a eterna tormenta...
A nova vida se instalava com ares de idolatria. Um rei suspenso de seu posto por toda vida e que definitivamente tomava seu devido lugar. Byron era aclamado em todos os cantos da grande Inglaterra. Intelectuais, políticos, artistas e - principalmente - mulheres, proclamavam o seu nome em todas as discussões imagináveis.
O pequeno jovem coxo, antes recusado por inúmeras mulheres, era então o ideal imaginário de nove entre dez mulheres inglesas. Todas fantasiavam suas feições, imaginavam seus dotes e deslumbravam-se aos versos de uma literatura excêntrica e real.
Como não poderia deixar de ser, Byron enfeitiçou a alma de inúmeras mulheres - na sua maioria, casadas - e viveu romances pitorescos, condenados ao fim pelo desprezo e pela indiferença do poeta. Assim, diversas mulheres, cujos casamentos estavam condenados às ruínas, deixavam-se cobrir pelos braços do poeta querido.
Mas Byron, frágil e propenso à desgraça, não escaparia do peso maior que carregaria por toda sua vida: Augusta, a sua irmã, estava em condições iguais das mulheres casadas que se renderam aos encantos de Byron. O seu casamento não ia bem, e refugiou-se na casa do irmão para aliviar a tensão que a perseguia desde então. Byron recebeu-a de braços abertos e toda sua admiração transformou-se em cordialidade. Entretanto, algo bombástico alimentava a sua ânsia. Começou a enxergar a irmã com outros olhos: via-a como uma semelhança, um espelho raro petrificado por idêntica sina, como uma possibilidade de encontrar o Byron escondido pelo ser anti-social e céptico. Além, enxergava-a como uma mulher de exorbitante beleza e que precisava de algo a mais do que os braços seguros de um irmão. Não pensou lucidamente, quando esqueceu a semelhança sanguínea, a hereditariedade e as anátemas profetizadas em nome de um ato incomum e estonteante. Contudo, seguiu controlando-se, até as asas de uma vida errante produzirem névoas bruscas e não fornecerem apoio para a negação. Nada propunha a Byron um caminho contrário ao do seguido. Não obstante, Augusta voltou para casa grávida...
 
Morte
Lord Byron morreu enquanto lutava na Guerra de independência da Grécia, em 1824, de febres contraídas no campo de batalha. Encontra-se sepultado na Igreja de Santa Maria Madalena, Hucknall, Nottinghamshire na Inglaterra.
 
 
She walks in Beauty

She walks in beauty, like the night
Of cloudless climes and starry skies;
And all that's best of dark and bright
Meet in her aspect and her eyes:
Thus mellow'd to that tender light
Which heaven to gaudy day denies.

One shade the more, one ray the less,
Had half impair'd the nameless grace
Which waves in every raven tress,
Or softly lightens o'er her face;
Where thoughts serenely sweet express
How pure, how dear their dwelling-place.

And on that cheek, and o'er that brow,
So soft, so calm, yet eloquent,
The smiles that win, the tints that glow,
But tell of days in goodness spent,
A mind at peace with all below,
A heart whose love is innocent!

Há 155 começou uma revolta contra o domínio russo na Polónia

Brasão de armas da Revolta de Janeiro

A Revolta de Janeiro foi a mais longa insurreição polaca contra a Rússia czarista: começou a 22 de janeiro de 1863, e os últimos insurgentes não foram capturados até 1865. Começou com um protesto espontâneo de jovens polacos contra o alistamento no exército russo. A revolta foi logo apoiada por vários políticos e oficiais de alta patente polacos do exército do czar. Os revoltosos, logo cresceram em número e sem qualquer ajuda externa, foram forçados a recorrer à táticas de guerrilha. Os insurretos não conseguiram qualquer vitória militar importante e nem no decorrer da campanha, qualquer grande cidade ou fortificação foi recapturada na Polónia ocupada. A revolta conseguiu, contudo, sucesso em neutralizar o efeito da abolição pelo Czar da servidão na partição russa, que tinha sido planeada para convencer os camponeses polacos a não serem mais o suporte do resto da nação. As severas represálias contra os polacos devido à revolta, tais como execuções públicas ou deportações para a Sibéria, levaram muitos polacos a abandonar a luta armada e a retornar à ideia de "trabalho orgânico" - o auto-aperfeiçoamento económico e cultural.

Dona Zica morreu há quinze anos

(imagem daqui)

Dona Zica, pseudónimo de Euzébia Silva do Nascimento (Rio de Janeiro, 6 de fevereiro de 1913 - Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 2003) foi uma sambista da velha guarda da Estação Primeira de Mangueira e a última esposa do sambista Cartola.

Biografia
Grande símbolo do Carnaval carioca, Dona Zica participou da novela Xica da Silva e a sua biografia foi escrita pela escritora pernambucana Odacy de Brito Silva. Ficou mais conhecida ao se casar com Cartola.
Dona Zica já tinha mais de 40 anos de idade quando se casou com Cartola, em 1954. Eles se conheciam desde jovens mas nunca haviam namorado, eram vizinhos no Morro da Mangueira, onde moravam. Não namoraram pois Zica já estava comprometida e na época a mulher era mal vista se o seu noivado fosse desfeito.
Zica casou-se aos 19 anos com seu primeiro marido, teve cinco filhos biológicos e adotou um sexto. Ficou viúva após 20 anos de casada. Cartola também se casou, porém não teve filhos, porque era estéril. Após ficar viúvo, viveu mais de 10 anos longe da Mangueira. Um dia, voltou e reencontrou sua antiga amiga, Zica, e começou a se interessar mais por ela, e passou a namorá-la. Casaram-se e viveram juntos 26 anos, até a morte dele, em 1980.
O seu talento gastronómico, foi decisivo nas finanças da vida do casal, pois, conforme um depoimento seu, registado na biografia de Cartola, op. cit., ela, na década de 1960, foi comandar um vatapá, na casa de Benjamin Eurico Cruz, e fez um contacto do qual viria a surgir embrião do Zicartola, famosa casa de samba do Rio de Janeiro e restaurante a qual se tornou um ponto de encontro dos sambistas da época.
Dona Zica, morreu aos 89 anos de problemas cardiovasculares. É figura inesquecível na história da nossa música, sendo bastante amiga de Dona Neuma, outra grande personalidade da Mangueira.
A escola de samba da Mangueira foi fundada em 1928, sendo a segunda escola da história do Rio, fusão de cinco blocos carnavalescos.
  
 

domingo, janeiro 21, 2018

Lola Flores nasceu há 95 anos

Maria de Los Dolores Flores Ruiz (Jerez de la Frontera, Espanha, 21 de janeiro de 1923 - Madrid, 16 de maio de 1995), foi atriz, bailarina de flamenco e cantora espanhola, conhecida por Lola Flores, La Faraona.
Nascida em 21 de janeiro de 1923, em San Miguel, província de Cádiz, em Jerez de la Frontera, Lola Flores (ou La Faraona, como era conhecida no meio artístico) foi uma das figuras mais queridas da Espanha no século XX, famosa cantora folclórica, bailarina e atriz. A sua mãe tinha ascendência cigana por parte do pai.
Em 1939, com 16 anos, estreou no Teatro Villamarta com o espetáculo Luces de España. Um de seus maiores êxitos foi como parceira artística de Manolo Caracol, com quem trabalhou até 1951.
Casou-se com o guitarrista Antonio González Batista (El Pescaílla), em 1958, com quem teve três filhos: Dolores Flores (conhecida como Lolita Flores), Antonio Flores e Rosário Flores, todos eles também cantores.
Faleceu aos 72 anos de cancro da mama, diagnosticado em 1972. Foi sepultada no Cemitério de la Almudena, em Madrid. Catorze dias após sua morte, seu filho Antonio, de 34 anos, foi encontrado em casa, morto supostamente por overdose de narcóticos. Foi enterrado junto à mãe.
 
 

Georges Méliès morreu há oitenta anos

Marie-Georges-Jean-Méliès (Paris, 8 de dezembro de 1861 - Paris, 21 de janeiro de 1938) foi um ilusionista francês de sucesso e um dos precursores do cinema, que usava inventivos efeitos fotográficos para criar mundos fantásticos.
Méliès, além de ser considerado o "pai dos efeitos especiais", fez mais de 500 filmes e construiu o primeiro estúdio cinematográfico da Europa. Também foi o primeiro cineasta a usar desenhos de produção e storyboards para projetar as suas cenas. Era proprietário do Théatre Robert-Houdin, em Paris, que havia pertencido ao famoso ilusionista francês Jean Eugène Robert-Houdin.

Tudo começou quando o cineasta ganhou um protótipo criado pelo cinematógrafo inglês Robert William Paul e ficou tão entusiasmado com o mesmo que saía filmando cenas do quotidiano em Paris. Um dia a própria câmara parou de repente, mas as pessoas não paravam de se mexer e, quando ele voltou a filmar, a ação feita na filmagem era diferente da ação que ele estava filmando. A esta trucagem ele deu o nome de stop-action; criou várias outras, como perspectiva forçada, múltiplas exposições ou filmagens em alta e baixa velocidade.
Uma de suas produções mais conhecidas foi Le voyage dans la lune (Viagem à Lua) de 1902, em que usou técnicas de dupla exposição do filme para obter efeitos especiais inovadores para a época.
Criando filmes fantasiosos que divertiam crianças e adultos, Georges Méliès foi considerado o melhor cineasta do mundo. Chaplin o chamou de "o alquimista da luz". Estava presente na plateia que assistiu, em 28 de dezembro de 1895, aos Irmãos Lumière fazerem a primeira projeção de um filme na história. D. W. Griffith, que viria a ser um dos grandes diretores da história do cinema, disse "a ele tudo devo".
O livro A Invenção de Hugo Cabret, de Brian Selznick, e sua adaptação cinematográfica, são inspirados na história da vida de Méliès.
Méliès foi o primeiro artista a pintar as suas obras, para que os filmes preto e branco ficassem coloridos. Um exemplo disso é o filme Viagem à Lua.

 

Há cinquenta anos ocorreu um acidente nuclear na Base Aérea de Thule

Boeing B-52G similar ao avião destruído

O Acidente da Base Aérea de Thule de 1968 ocorreu no dia 21 de janeiro de 1968, envolvendo um B-52 Stratofortress da Força Aérea dos Estados Unidos. Nessa data, o avião caiu no gelo a alguns quilómetros da Base Aérea de Thule e os investigadores só conseguiram recuperar três das quatro bombas nucleares.
Segundo documentos que eram confidenciais, obtidos graças à 'Freedom of Information Act' (lei americana que permite que as agências federais revelem os seus documentos), os americanos nunca conseguiram localizar a bomba, apesar das buscas realizadas perto da base aérea de Thule, onde em 1968 um caça estratégico B-52 caiu com quatro bombas nucleares a bordo.
A base de Thule, a mais setentrional da Força Aérea dos Estados Unidos e de grande importância estratégica, foi construída em plena guerra fria, no início da década de 1950. Era um elo importante na cadeia de radares do Norad (sistema de vigilância do espaço aéreo americano), previsto para detetar qualquer lançamento de mísseis soviéticos.
 

O Rei Luís XVI de França foi assassinado há 225 anos...

Luís XVI (Versalhes, 23 de agosto de 1754 - Paris, 21 de janeiro de 1793) foi Rei da França e Navarra de 1774 até ser deposto em 1792 durante a Revolução Francesa, sendo executado no ano seguinte. O seu pai, Luís, Delfim de França, era o filho e herdeiro aparente do rei Luís XV. Como resultado da morte do seu pai, em 1765, Luís tornou-se o novo delfim e sucedeu ao seu avô em 1774. Era irmão mais velho dos futuros reis Luís XVIII e Carlos X.
Nascido em Versalhes, recebeu o título de Duque de Berry. Após a morte repentina de seu pai Luís Fernando, tornou-se o novo herdeiro da França em 1765 e foi coroado Rei aos 19 anos. A primeira parte de seu reinado foi marcada por tentativas de reformar a França, de acordo com os ideais iluministas. Estes incluíram esforços para abolir a servidão, remover a taille, e aumentar a tolerância em relação aos protestantes. A nobreza francesa reagiu com hostilidade às reformas propostas e opôs-se com sucesso à sua implementação. Em seguida ocorreu o aumento do descontentamento entre as pessoas comuns. Em 1776, Luís XVI apoiou ativamente os colonos norte-americanos, que buscavam a sua independência da Grã-Bretanha, que foi realizada no Tratado de Paris de 1783.
A dívida e crise financeira que vieram em seguida contribuíram para a impopularidade do Antigo Regime, que culminou no Estado Geral de 1789. O descontentamento entre os membros das classes média e baixa da França resultou em reforçada oposição à aristocracia francesa e à monarquia absoluta, das quais Luís e a sua esposa, a rainha Maria Antonieta, eram vistos como representantes. Em 1789, a tomada da Bastilha, durante os distúrbios em Paris, marcou o início da Revolução Francesa. A indecisão e conservadorismo de Luís levaram algumas percepções ao povo da França em vê-lo como um símbolo da tirania do Antigo Regime e sua popularidade deteriorou-se progressivamente. A sua desastrosa fuga de Varennes, em junho de 1791, quatro meses antes da monarquia constitucional ser declarada, parecia justificar os rumores de que o rei amarrou suas esperanças de salvação política nas perspectivas de alguma invasão estrangeira. A sua credibilidade ficou extremamente comprometida. A abolição da monarquia e a instauração da república tornaram-se possibilidades cada vez maiores.
Num contexto de guerra civil e internacional, o rei foi suspenso e preso na época da insurreição de 10 de agosto de 1792, um mês antes da monarquia constitucional ser abolida e a Primeira República Francesa ser proclamada, em 21 de setembro. Foi julgado pela Convenção Nacional (auto-instituída como um tribunal para a ocasião), considerado culpado de alta traição e executado na guilhotina, em 21 de janeiro de 1793, como um cidadão francês dessacralizado, conhecido como "Cidadão Luís Capeto", um apelido em referência a Hugo Capeto, o fundador da dinastia capetiana – que os revolucionários interpretavam como o seu nome de família. Depois de inicialmente considerado tanto um traidor como um mártir, historiadores franceses têm adotado uma visão geral diferente da sua personalidade e papel como rei, descrevendo-o como um homem honesto , impulsionado por boas intenções, mas que não estava à altura da tarefa hercúlea que teria sido uma profunda reforma da monarquia. Foi o único rei da França na história a ser executado, e sua morte pôs fim a mais de mil anos de monarquia francesa contínua.

(...)

Em 15 de janeiro de 1793, a Convenção, composta por 721 deputados, votou sobre o veredicto. Dada a evidência esmagadora de conluio de Luís com os invasores, o veredicto teve uma conclusão precipitada – com 693 deputados votando como culpado, nenhum para absolvição, e 23 abstenções. No dia seguinte, uma votação nominal foi realizada para decidir sobre o destino do ex-rei, e o resultado foi desconfortavelmente perto de uma decisão dramática. Votaram contra a morte e por alguma outra alternativa, principalmente alguns meios de prisão ou o exílio, 288 deputados. Votaram a favor da pena de morte, mas sujeito a uma série de condições dilatórias e reservas, 72 deputados. Votaram pela sua morte imediata 361 deputados. Filipe Égalité, anteriormente o duque de Orleães e primo do ex-rei, votou por sua execução, o que chocou a maioria dos presentes. O próprio Luís comentaria: "Lamento muito pensar que Monsieur d'Orléans, meu parente, deve ter votado pela minha morte."
No dia seguinte, uma moção para conceder a Luís XVI um indulto da sentença de morte foi rejeitado: 310 deputados pediram misericórdia, mas 380 votaram a favor da execução imediata da pena de morte. Esta decisão seria final. Na segunda-feira, 21 de janeiro de 1793, Luís XVI foi decapitado pela guilhotina na Place de la Révolution. O carrasco, Charles-Henri Sanson, testemunhou que o ex-rei tinha bravamente encontrado seu destino. Quando Luís XVI subiu ao cadafalso, apareceu digno e renunciou a seus títulos. Proferiu um curto discurso em que reafirmou sua inocência: "Perdoo aqueles que são a causa de minha morte....". Declarou-se inocente dos crimes de que era acusado, rezando para que seu sangue jamais recaísse sobre a França. Muitos relatos sugerem seu desejo em falar mais, mas Antoine Joseph Santerre, um general da Guarda Nacional, parou o discurso pedindo um rufar de tambores. O ex-rei foi então rapidamente decapitado. Alguns relatos de sua decapitação indicam que a lâmina não rompeu seu pescoço inteiramente na primeira vez. Há também relatos de um grito horrível vindo de Luís após a lâmina cair mas isso é improvável, visto que a lâmina cortou sua coluna. Ficou acordado que, enquanto seu sangue pingava no chão muitos membros da multidão correram para mergulhar seus lenços nele. Este relato foi provado em 2012, depois de uma comparação de ADN ligando o sangue que acreditava-se ser da decapitação de Luís XVI, do ADN retirado de amostras de tecidos originários do que acreditava-se ser a cabeça mumificada de Henrique IV. A amostra do sangue foi tirada a partir de uma cabaça esculpida para comemorar os heróis da Revolução Francesa, que tinha, segundo a lenda, sido utilizada para abrigar o sangue de Luís.
 

A Batalha de Khe Sanh começou há cinquenta anos

Um canhão M107 disparando contra posições vietnamitas

A Batalha de Khe Sanh foi um conflito armado que ocorreu durante a Guerra do Vietname, envolvendo o Exército do Vietname do Sul e Exército dos Estados Unidos, contra o Exército do Povo do Vietname (NVA), a noroeste da província de Quang Tri.

Operações de combate
O comando americano em Saigon acreditou inicialmente que as operações de combate em torno de Khe Sanh durante o verão de 1967 eram apenas parte de uma série de pequenas ofensivas norte vietnamitas, nas regiões fronteiriças.
Essa avaliação logo mudou, quando se descobriu que o Exército do Povo do Vietname (ou NVA, na sigla em inglês) movia forças para a região enquanto caía o inverno. A concentração de forças dos fuzileiros navais americanos (os marines) e as ações em torno de Khe Sahn começaram quando a base foi isolada pelas forças comunistas. Durante uma série de ações desesperadas que duraram 77 dias, a Base de Combate de Khe Sanh (BCKS) e os postos avançados ao seu redor foram mantidos sob constante ataque de morteiros, artilharia e foguetes do NVA. Combates violentos entre as infantarias também foi reportado ao longo de todo o perímetro defensivo.
Durante a batalha uma campanha de bombardeio maciço (Operação Niagara) foi levada a cabo pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) para auxiliar a base dos fuzileiros navais norte-americanos. Essa campanha contou com os últimos avanços tecnológicos para localizar as forças do NVA. O esforço logístico para manter a BCKS (ou KSCB, em inglês), quando ela estava isolada, exigiu a implementação de outras inovações táticas a fim de manter os Marines supridos.
Em Março de 1968, uma expedição terrestre (Operação Pegasus) foi executada por uma força-tarefa combinada de Fuzileiros Navais, Exército dos Estados Unidos e Exército do Vietname do Sul. Essa expedição conseguiu romper o cerco aos Marines, constituindo-se em vitória tática dos americanos e seus aliados, mas sem implicações estratégicas no conflito no Vietname.
A luta por Khe Sanh foi sangrenta e extremamente brutal para os homens envolvidas nela. Os combates nas regiões ao redor da base também foram particularmente violentos e, apesar do alto custo em vidas, não deu grandes conquistas para qualquer um dos lados.

Um A-4E Skyhawk americano bombardeando os vietnamitas entrincheirados ao redor da base

sábado, janeiro 20, 2018

Charles Taylor, ex-presidente da Liberia condenado por crimes contra a humanidade, faz hoje setenta anos

Charles McArthur Ghankay Taylor (Arthington, 28 de janeiro de 1948) é um economista e político que foi presidente da Libéria de 1997 a 2003. Era um líder militar proeminente na guerra civil liberiana da década de 90, foi eleito presidente, preso, foragido com apoio americano e forçado a exilar-se. Pelas suas ações, consideradas cruéis dentro do seu próprio país, e também por sua participação na violenta Guerra Civil de Serra Leoa, Taylor passou a ser considerado um criminoso de guerra e foi posteriormente detido pela ONU e acusado formalmente de perpetrar crimes contra a humanidade.
  
Biografia
Nasceu em 1948, filho de libero-americanos, estudou nos Estados Unidos. Voltou à Libéria quando ocorreu o golpe de Estado de Samuel Kanyon Doe em 1980, que foi bem sucedido, sendo encarregado de controlar o orçamento de Estado. Todavia, desviou cerca de um milhão de dólares e, assim, Taylor regressou aos Estados Unidos, mesmo enfrentando um pedido de extradição do governo da Libéria.
Charles Taylor foi exilado para a Serra Leoa, depois de ter sido capturado na Nigéria, próximo dos Camarões, de onde se preparava para fugir, com duas malas cheias de dólares e euros.
O Tribunal Especial para a Serra Leoa foi criado para "julgar todos os que têm grande responsabilidade pelos crimes contra a Humanidade e de Guerra". Charles Taylor foi acusado por 17 crimes de guerra e contra a humanidade, incluindo aterrorizar a população, assassinatos ilegais, violência sexual e física, recrutamento forçado de crianças-soldado, sequestros (raptos), trabalho forçado e ataques ao pessoal da ONU, entre outros.

Julgamento e condenação 
Taylor foi condenado por um órgão ligado às Nações Unidas e à Serra Leoa, tornando-se o primeiro ex-chefe de nação a ser condenado pela justiça internacional. Charles Taylor foi condenado a 50 anos de prisão pelo Tribunal Especial para Serra Leoa, sendo o seu julgamento realizado em Haia, nos Países Baixos.

O ator Lorenzo Lamas faz hoje sessenta anos

Lorenzo Fernando Lamas-Craig (Santa Mónica, Califórnia, 20 de janeiro de 1958) é um actor norte-americano.
A sua estreia no cinema foi um pequeno papel em 100 Rifles (1969), de Tom Gries. Atuou em filmes como: Grease - Brilhantina (1978), Irmãos até à Morte (1994), Circuito Diabólico (2002), Paraíso Perigoso (2003), Mal Profundo (2004), O Dragão Latino (2004), Letal - Missão Arriscada (2005) e O Diabo Veste de Saias (2007). Na televisão ficou conhecido como Lance Cumson, na série Falcon Crest, entre 1981 e 1990.
Em 1985 foi indicado para o Framboesa de Ouro de pior ator por sua atuação em Body Rock.
Em 2009, participou de um reality show denominado Leave It to Lamas (E!), que trata do quotidiano da sua família. Lorenzo é filho de Fernando Lamas e Arlene Dahl.

Luciano Camargo faz hoje 45 anos

Welson David de Camargo (Pirenópolis, 20 de janeiro de 1973) mais conhecido como Luciano Camargo, é um cantor brasileiro, membro da dupla Zezé Di Camargo & Luciano.
 
 

O astrónomo Simon Marius nasceu há 445 anos

Simon Marius, latinizado, do nome alemão, Simon Mayr, (Gunzenhausen, 20 de janeiro de 1573 - Ansbach, 5 de janeiro de 1625) foi um astrónomo alemão.
Em 1614 Marius publicou a obra Mundus Iovalis, descrevendo o planeta Jupiter e as suas luas. Na obra afirmou ter descoberto as quatro maiores luas de Júpiter dias antes de Galileu e tal afirmação deu início a uma disputa com Galileu. Considera-se possível que Marius tenha descoberto as luas de Júpiter independentemente, mas pelo menos alguns dias depois que Galileu; se tal afirmação for verdadeira, Marius seria a única pessoa que observou as luas no período anterior à publicação das observações de Galileu. Independente desta questão, os nomes mitológicos pelos quais estas luas são conhecidas atualmente (Io, Europa, Ganímedes e Calisto) foram dados por Marius.
Simon Marius também afirmava ser o descobridor da Nebulosa de Andrómeda, que na realidade já era conhecida desde a Idade Média por astrónomos árabes.

Benjamin Biolay, músico da nouvelle chanson, faz hoje 45 anos

Benjamin Biolay (Villefranche-sur-Saône, 20 de janeiro de 1973) é um cantor, compositor, multi-instrumentista, arranjador e produtor francês, mais conhecido pelas suas colaborações com os cantores Henri Salvador, Keren Ann, Coralie Clément (a sua irmã mais nova) e Heather Nova, entre outros. Foi casado com a actriz Chiara Mastroianni, com quem teve uma filha.
Comparado por muitos a Serge Gainsbourg, Biolay é tido como um dos principais expoentes da nouvelle chanson, nome dado a um novo género de música francesa que reinventa a tradição da chanson, adicionando-lhe elementos de pop, rock e música electrónica.
 
 

sexta-feira, janeiro 19, 2018

O músico Carl Perkins morreu há vinte anos

Carl Lee Perkins (Tiptonville, 9 de abril de 1932 - Jackson, 19 de janeiro de 1998) foi um cantor norte-americano de rockabilly, uma mistura de rhythm and blues e country music que se desenvolveu na Sun Records em Memphis, Tennessee no começo dos anos 50. Foi considerado o 88º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.
 

Eugénio de Andrade nasceu há 95 anos

 Eugénio de Andrade (imagem daqui)
Escultura de José Rodrigues (1936-) 
 
Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas (Póvoa de Atalaia, 19 de janeiro de 1923 - Porto, 13 de junho de 2005) foi um poeta português.
  
 

Fausto e Zeca - Não Canto Porque Sonho

Não canto porque sonho

Não canto porque sonho.
Canto porque és real.
Canto o teu olhar maduro,
o teu sorriso puro,
a tua graça animal.

Canto porque sou homem.
Se não cantasse seria
somente um bicho sadio
embriagado na alegria
da tua vinha sem vinho.

Canto porque o amor apetece.
Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
por vê-los nus e suados.

in As mãos e os frutos (1948) - Eugénio de Andrade

Janis Joplin nasceu há 75 anos

Janis Lyn Joplin (Port Arthur, 19 de janeiro de 1943 - Los Angeles, 4 de outubro de 1970) foi uma cantora e compositora norte-americana, considerada a "Rainha do Rock and Roll", "a maior cantora de rock dos anos 60" e "a maior cantora de blues e soul da sua geração", alcançou proeminência no final dos anos 60 como vocalista da Big Brother and the Holding Company e, posteriormente, como artista a solo, acompanhada das suas bandas de suporte: a Kozmic Blues e a Full Tilt Boogie.
Influenciada por grandes nomes do jazz e do blues, como Aretha Franklin, Billie Holiday, Etta James, Tina Turner, Big Mama Thornton, Odetta, Leadbelly e Bessie Smith, Janis fez, da sua voz, a sua característica mais marcante, tornando-se um dos ícones do rock psicadélico e dos anos 60. Todavia, problemas com drogas e álcool encurtaram a sua carreira. Morta em 1970 devido a uma overdose de heroína, Janis lançou apenas quatro álbuns: Big Brother and the Holding Company (1967), Cheap Thrills (1968), I Got Dem Ol' Kozmic Blues Again Mama! (1969) e o póstumo Pearl (1971), que foi o último álbum com participação direta da cantora.
   

A cantora brasileira Loalwa Braz foi assassinada há um ano

Loalwa Braz Vieira (Rio de Janeiro, 3 de junho de 1953 - Saquarema, 19 de janeiro de 2017) foi uma cantora e empresária brasileira. Viveu entre a França e o Brasil, desde 2001, e na Suíça, desde 2010, tendo sido a vocalista do grupo Kaoma.
   
Biografia
Nascida e criada em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, numa família de classe média composta por músicos. O seu pai era chefe de orquestra popular, e a mãe, pianista clássica. A artista sempre foi influenciada pela música e desde a infância decidiu seguir este caminho. Com o piano clássico aos quatro anos, até à canção, onde ela começa sua carreira aos 12 anos de idade. Sofreu de preconceitos no início da sua carreira, pois apesar de ter formação em música clássica, optou por cantar ritmos mais populares, a sua grande marca de sucesso.
Em 1985, decide viver em Paris após o show Brésil en Fête no Palais des Sports. Após um concurso para escolher uma vocalista para um grupo de lambada, Loalwa passou a integrar a banda Kaoma, grupo que durou de 1989 até 1998, quando lançou o seu último álbum na Europa. Loalwa nunca parou e seguiu cantando em português, continuando a levar o ritmo pelo mundo.
Loalwa apresentou-se no Paradis Latin, Méridien (Paris), Olympia (88 e 92), TLP Dejazet, New Morning, Zenith, Madison Square Garden, London Palladium, Waldorf, Astoria e outros.
Loalwa compôs e cantou três músicas para a indústria cinematográfica; duas canções no filme Le Roi Desperados - produzido pelo estúdio de televisão francês Canal+ - e interpretou com a Orquestra Filarmónica de Londres, na banda sonora do filme Dis-moi oui; dirigido por Alexandre Arcady e com música de Phillipe Sarde.
Seguia a sua carreira a solo e dirigia também a sua firma Braz Brasil Produções, voltada para a divulgação das artes brasileiras através dos continentes.
Em 2011 lançou novo disco a solo, Ensolarado, com participação de artistas da África, Caraíbas e América Latina.
  
Vida pessoal
Quando mudou para Paris, em 1985, cantava jazz em clubes e casas noturnas, onde conheceu um francês, com quem se casou e teve dois filhos. Antes de morrer, estava casada, mas o marido ficou na França, enquanto ela foi morar na sua pousada na Região dos Lagos, no estado do Rio de Janeiro. A cantora estava a tratar um cancro antes de falecer.
  

Morte 
Foi encontrada morta dentro de um carro incendiado em Saquarema, na região dos Lagos do Rio, na manhã de 19 de janeiro de 2017. De acordo com a investigação policial, foi assassinada por um dos seus funcionários, que trabalhava na pousada da cantora há apenas 15 dias.
  
in Wikipédia